O que é a economia de baixo carbono?

4 minutos de leitura

Você já ouviu falar na economia de baixo carbono? Entenda esse tema que pretende estimular a energia verde e ao mesmo tempo gerar emprego e desenvolvimento.

A economia de baixo carbono pretende reduzir impactos do meio ambiente e ao mesmo tempo promover o desenvolvimento dos países. Um dos pilares dessa mudança é a busca pela diminuição das emissões de Gases do Efeito Estufa (GEE), com a ampliação do uso de energias limpas e atribuições de custos aos impactos gerados pela emissão de gases poluentes com o crédito de carbono.

De maneira mais ampla, a economia de baixo carbono fomenta o uso racional de recursos naturais, na renovação das matrizes energéticas e na circularidade da produção. Por isso, a inovação de processos e desenvolvimento tecnológico são aliados importantes para reduzir os impactos nocivos no planeta. Entenda melhor!

O que é a economia de baixo carbono?

Com o avanço do aquecimento global, as organizações mundiais e representantes dos governos começaram a se organizar a fim de encontrar alternativas viáveis para a redução desses gases nocivos. Até 2012, quase 70% da energia produzida em todo o mundo era a partir de combustíveis fósseis e apenas 21% de origem renovável. A boa notícia é que buscar um crescimento de baixo carbono é a melhor maneira de obter benefícios econômicos e sociais duradouros.

A tendência é que a demanda por energia continue crescendo nos próximos anos. Por isso, a busca por opções de baixo carbono são uma saída para manter a produção e ao mesmo tempo diminuir os impactos negativos. Já há uma iniciativa global chamada We Mean Business em que mais de 1400 empresas se comprometeram a reduzir suas emissões de GEE por meio de ações tangíveis.

Além disso, o Tratado Internacional de Paris também foi um importante passo para a transição de uma economia de baixo carbono. Embora essa mudança esteja ocorrendo aos poucos, nos Estados Unidos já é possível perceber os resultados. O setor de renováveis já cria empregos 12x mais rápido que os demais setores da economia. Além disso, com o crescimento acelerado, os custos de geração tanto de energia solar quanto eólica vem diminuindo.

Como o Brasil está aderindo à transição energética?

O Brasil está na lista dos países que geram emprego na área de energia renovável ao lado dos Estados Unidos, China, Índia, Japão e Alemanha. Por possuir condições climáticas favoráveis, o Brasil tem oportunidade de assumir uma posição de destaque no mercado mundial na transição para uma economia de baixo carbono. Além da abundância em águas, que possibilita a geração de energia por meio das hidrelétricas, o país possui posicionamento estratégico que facilita a geração de energia solar quase em todo o período do ano e em todos os estados. Além disso, a costa brasileira e a região do Nordeste são privilegiadas na qualidade dos ventos, facilitando a geração de energia eólica.

Para que essa transição seja satisfatória, é necessário a ampliação do investimento na economia brasileira para setores de baixo carbono. Isso deve ocorrer por meio do engajamento de investidores alinhados com as metas de descarbonização propostas pelo Acordo de Paris. Nos EUA, por exemplo, o Ato de Recuperação e Reinvestimentos, em 2009, gerou uma série de benefícios sociais e econômicos, incluindo a geração de cerca de 900 mil empregos em energia limpa no país de 2009 a 2015.

O mercado financeiro já está despertando para os riscos de se investir em atividades que geram emissões. Por isso, buscam investir em novos negócios alinhados com a sustentabilidade. Empresas sustentáveis já estão superando seus concorrentes em performance. As organizações comprometidas com energia renovável têm melhores margens de lucro, podendo gerar um ROI 18% maior que as companhias que não são comprometidas.

Portanto, a economia de baixo carbono é a aposta do futuro tanto das empresas quanto dos governos comprometidos com o meio ambiente. Se você gostou do nosso conteúdo e quer entender melhor sobre a relação do mercado com a sustentabilidade, leia o nosso conteúdo sobre ESG.

Comente

Não há comentários sobre este post. Seja o primeiro.

Deixe um comentário