O crescimento da GD no setor de Biogás e Biometano

crescimento da GD no setor de biogás e biometano
4 minutos de leitura

O setor de biogás e biometano continua em crescimento, reduzindo a distância entre o mundo real e o potencial projetado pela Abiogás.

O setor de biogás e biometano está crescendo, mas ainda está longe da projeção realizada pela Associação Brasileira de Biogás (Abiogás) que prevê um potencial de 120,8 milhões de m³ por dia. A realidade atual é de geração de biogás de 5 milhões de m³/ dia e de biometano de 334 mil m³/ dia.

Hoje, no país, apenas 14 estados brasileiros possuem projetos instalados de geração distribuída com fonte de biogás. O estado de Minas Gerais é destaque com quase 17 mil kW de potência instalada, correspondendo a 25,65% da cota de participação do mercado. Em seguida vem o estado do Mato Grosso com quase 11 mil kW, o que representa 16,55% do mercado.

Em 2020, foram implementadas 148 novas usinas de biogás no país, segundo o CIBiogás. Atualmente, há mapeado 675 usinas, sendo 6382631 em operação. Esse total representa um aumento de 22% em relação a 2019.

Qual o potencial da GD no setor de Biogás e Biometano?

Com essas novas plantas instaladas, sendo a maioria de micro e minigeração distribuída e utilizando substratos de origem agropecuária, o volume anual de produção passa a ser de 1,83 bilhão de m³/ano. Quando todas as unidades estiverem em operação, o valor pode chegar a 2,2 bilhão m³/ano. O crescimento positivo, mesmo em ano de pandemia, deve-se ao fato de a produção de biogás estar diretamente ligada ao agronegócio, que vem registrando crescimento.

Há ainda um potencial inexplorado no setor de saneamento, em que as atividades desenvolvidas em estações de tratamento de esgoto (ETEs) poderiam produzir biogás em geração distribuída. Assim, é possível reduzir custos operacionais, promover eficiência energética e mitigar emissão de Gases do Efeito Estufa. Contudo, há ainda poucas iniciativas e empresas que são aptas a desenvolver projetos desse tipo.

A Abiogás identificou, em 2020, sete empreendimentos de destaque. Entre eles estão projetos de geração distribuída com biogás de aterro, uma usina de biogás que gera energia resultante da digestão da vinhaça e também outros projetos de cooperativa agropecuária que inauguraram mini usinas de geração de biogás a partir da digestão de dejetos suínos e resíduos da produção de leite e de batatas. Há ainda um projeto em destaque de uma usina híbrida a biogás e energia solar.

As possibilidades e o cenário favorável para o setor

Para explicar o crescimento do setor, além do potencial inexplorado, também é possível perceber que alguns projetos foram acelerados devido à possibilidade de revisão da Resolução 482 da Geração Distribuída, que pode acabar com parte do subsídio para os investimentos.

Independentemente dos motivos, o setor cresceu, principalmente no potencial de uso do biometano, versão purificada do biogás que é utilizado como combustível. Segundo a Abiogás, o biometano tem potencial de suprir 70% da demanda nacional de diesel — equivalente a 39 bilhões de litros. Um dos acenos positivos do mercado é a chamada da Golar Power para aquisição de 5 milhões de m³/dia de biometano, para comercialização do combustível na versão liquefeita (BioGNL) para aplicações nas indústrias ou comércio.

Outro projeto que tem um potencial de abrir o caminho do setor ocorre no interior de São Paulo, com a construção da primeira rede de gasoduto do país de suprimento dedicado de biometano nas cidades de Presidente Prudente e Narandiba. A previsão para conclusão da instalação da rede está prevista para janeiro de 2022.

Mais um sinal favorável para o setor é o RenovaBio, política nacional que incentiva projetos de biogás, principalmente em indústrias sucroenergéticas, que podem emitir créditos de descarbonização ao aproveitarem os resíduos para geração de gás. Além disso, o fato do biogás e do biometano não serem reajustados pelo dólar traz mais confiança em momentos de incertezas econômicas.

Portanto, o setor está bastante otimista na expansão. Nem mesmo a possível queda de preços do gás natural com uma nova política federal é um problema para a viabilidade dos novos projetos. O biometano já é bastante competitivo e a tendência é que com o desenvolvimento tecnológico o custo do combustível caia ainda mais.

Se você se interessou pelo assunto e quer entender melhor sobre os projetos do setor de biogás e biometano, entre em contato conosco.

Comente

Não há comentários sobre este post. Seja o primeiro.

Deixe um comentário