Biogás: conheça essa energia renovável!

Biogás: conheça essa energia renovável!
4 minutos de leitura

Nos últimos anos, o biogás tem ganhando espaço e relevância no cenário energético. Entenda um pouco mais sobre essa energia renovável. 

O aquecimento global é um problema atual e o combate às mudanças climáticas é um desafio para todos. Nesse cenário, a adoção de energias renováveis, como o biogás, se torna cada vez mais necessária, para diminuir o uso de combustíveis fósseis e, consequentemente, reduzir os impactos negativos gerados por esse uso. 

Nesse contexto, surge o biogás que é uma alternativa sustentável e que tem avançado na questão tecnológica para uso industrial.  Esse tipo de energia entrou recentemente em sua fase de maturidade. Embora seus números ainda sejam pequenos, a capacidade instalada no país tem crescido bastante nos últimos tempos. Para entender melhor sobre essa fonte energética, leia o conteúdo até o final. 

O que é o biogás? 

As principais aplicações do biogás são a geração de energia elétrica e térmica, fabricação de biometano e utilização dos resíduos como fertilizantes. Ele é um gás produzido a partir da decomposição de matérias orgânicas por bactérias. 

Nesse ciclo, há a conversão de energia química em energia mecânica com a ajuda de um processo de combustão. Dessa forma, a energia mecânica ativa os geradores e cria energia elétrica, por exemplo. O biogás também pode ser usado em caldeiras para queima direta, contribuindo para a cogeração de energia. 

A principal forma de produção dessa matéria é por meio da quebra biológica do material orgânico na ausência de oxigênio. Para o uso industrial, o sistema é simulado em reatores controlados em que os microorganismos digerem a matéria prima e produzem biogás com até 70% de metano. Depois disso, com métodos de absorção, filtração ou separação, esse gás pode ser melhorado, aumentando sua porcentagem de metano e se aproximando de um gás natural fóssil.

Quais os benefícios dessa matriz?

Diferentemente das energias eólica e solar, o biogás pode ser produzido de forma contínua e pode ser armazenado na forma de matéria-prima. Outro ponto positivo é que ele pode atuar como mecanismo regulador de intermitência, mantendo o abastecimento e os preços estáveis. 

O biogás também é benéfico ao meio ambiente, pois tem pegada negativa de carbono. Ou seja, tem baixa emissão de carbono e ainda dá um novo aproveitamento ao metano que poderia poluir solo e a atmosfera. A disposição final de resíduos sólidos é um grande problema ambiental em grandes centros urbanos e a decomposição do lixo leva à produção do biogás. Assim, ao utilizar esses locais como fonte de geração de biogás, há uma melhora para o meio ambiente e uma nova utilização do gás de forma sustentável e trazendo benefícios econômicos.

Como é o mercado de biogás no Brasil? 

As principais fontes de produção de biogás no Brasil são os aterros sanitários, a indústria de alimentos e bebidas, a suinocultura e o lodo de esgoto, segundo a pesquisa realizada pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE).

A energia produzida a partir do biogás vem se desenvolvendo. Neste ano, a primeira termelétrica a biogás foi instalada no Espírito Santo. Com a capacidade de abastecer até 50 mil habitantes, gerando até 5 MW, a geração de energia advém do biogás proveniente do aterro sanitário da Marca Ambiental em Cariacica. 

Para 2020, as expectativas são de 10% de crescimento, dando destaque à região sul do país que tem um alto potencial — de cerca de 3 bilhões Nm3/ano — para esse tipo de produção proveniente dos dejetos da suinocultura, bovinocultura e avicultura. O número de unidades geradoras de biogás catalogadas pela ANEEL alcançou o número de 190, em março de 2020, correspondendo a geração de 27 GWh/mês. 

Portanto, mesmo com os avanços recentes nessa área, fica claro que há um notório potencial de exploração de biogás no país. Para que esse produto se torne uma matriz viável, é importante vencer desafios, como a desburocratização dos modelos atuais disponibilizados pela ANEEL, a fim de que sejam atraídos novos investimentos para o setor, possibilitando novos projetos em várias regiões do Brasil. E você? O que acha dessa fonte energética? Deixe o seu comentário no post! 

Comente

Não há comentários sobre este post. Seja o primeiro.

Deixe um comentário