Derivativos de energia: o que isso significa para o mercado?

Derivativos de energia: o que isso significa para o mercado?
3 minutos de leitura

A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) autorizou o Balcão Brasileiro de Comercialização de Energia (BBCE) a emitir os derivativos de energia. Entenda o que isso significa para o mercado.

Você sabe o que são os derivativos de energia? O setor de energia elétrica está em ampla expansão na país. Segundo o balanço da Câmara de Comercialização de Energia Elétrica (CCEE), o setor cresceu 10% entre dezembro de 2019 até junho de 2020.

O levantamento da Associação Brasileira dos Comercializadores de Energia (Abraceel) aponta que no ano passado o mercado livre de energia movimentou cerca de R$ 134 bilhões, representando 30% do consumo nacional. Contudo, para conferir liquidez, segurança e expansão do setor, algumas mudanças precisam ocorrer e os derivativos de energia são uma dessas opções.

Para entender melhor sobre o tema e como ele é importante para o mercado, continue lendo este conteúdo. 

O que são os derivativos de energia?

Os derivativos são contratos financeiros que derivam de um ativo (índice, preço, câmbio). Essas operações funcionam como uma bolsa de valores e aproximam o mercado dos players.

 Ao comercializar esse derivativo, compradores e vendedores firmam um compromisso que garante que o preço negociado não mude durante o período de contrato. Isso é importante no setor energético, uma vez que os preços oscilam com frequência devido aos fatores externos, como a previsão do tempo e quedas de consumo.

O projeto de lei 232/16 visa regularizar esse mercado e paralelamente o próprio setor tem buscado soluções para reduzir os riscos e prover segurança às transações no mercado de energia elétrica. Atualmente, a compra e venda ocorre no mundo físico. Ou seja, a empresa compra a quantidade de energia que precisa e recebe essa quantidade de megawatts.

Já com os derivativos, o modelo funcionará parecido com outras commodities, como petróleo e alimentos, baseando as transações no mercado financeiro. Além disso, os derivativos podem estimular investimentos no setor de energia, já que o risco será diminuído para ambas as partes.

Como os derivativos ajudam a dinamizar o mercado?

Atualmente, o mercado de eletricidade é bastante fechado no Brasil. Essa comercialização é feita por grandes players do segmento e com entrega física. Assim, apenas grandes companhias elétricas e empresas de “trading” conseguem especular o preço do produto, funcionando como intermediárias.

No modelo atual, quando um lado acredita que o preço vai subir, a empresa trading compra das companhias geradoras uma quantidade de megawatts, que são entregues a ela. Depois, essa empresa revende a energia para empresas interessadas em adquiri-la. Com a nova liberação, o Balcão Brasileiro de Comercialização de Energia (BBCE) começará a negociar os derivativos em sua plataforma.

Fundado em 2012, o BBCE é uma plataforma de investimentos para comercializar energia e atua como administradora de um mercado de balcão organizado. A compra e venda dos títulos e ativos pode ocorrer via telefone e computador, como ocorre na Bolsa de Valores.

Assim, com os derivativos, é possível comprar um contrato que garanta que nas próximas semanas ou meses, a empresa tenha o direito de comprar energia pelo preço atual acordado. A perspectiva é que o consumidor de energia enxergue essa mudança como uma forma de negociar e ter preços mais competitivos.

Na Europa e nos Estados Unidos esse mercado já é bem líquido e, no futuro, o objetivo é que inclusive pessoas físicas também entrem nesse mercado no Brasil, descentralizando a compra e venda dos grandes players do setor.

Portanto, com a nova possibilidade de emitir derivativos de energia, a comercialização desse ativo se tornará mais líquida e dinâmica no Brasil. A longo prazo, novos investidores serão atraídos para esse mercado, afinal, ao comprar um derivativo será possível firmar um “contrato futuro” para proteção contra variações de preço. E você, o que acha dessa mudança? Acredita que fortalecerá o setor elétrico? Deixe o seu comentário no post!

Comente

Não há comentários sobre este post. Seja o primeiro.

Deixe um comentário