Energia do lixo: o que é e como investir?

Energia do lixo: o que é e como investir?
4 minutos de leitura

A energia do lixo é uma fonte ambientalmente sustentável e praticamente permanente, mas quase inexplorada no país. Entenda melhor sobre o assunto. 

A energia do lixo é algo que tem ganhado espaço no Brasil. Essa opção energética traz uma série de vantagens, como a diminuição dos impactos causados pela decomposição do material e a diversificação de matriz energética no país. 

Cada vez mais os avanços tecnológicos estão permitindo a produção energética por meio dos Resíduos Sólidos Urbanos (RSU), evitando que boa parte dos resíduos produzidos sejam depositados em lixões e aterros. Além dos benefícios ecológicos, esse modelo tem ganhado adesão em todo o mundo e, por isso, está cada vez mais viável de ser implementado.

Se você quer entender melhor como ocorre o processo e por que ele é vantajoso, continue lendo este conteúdo.

O que é energia do lixo?

A tecnologia de transformação de lixo em energia também é conhecida como reciclagem energética. Essa opção já é bastante difundida em países desenvolvidos, como Japão, Alemanha e Estados Unidos, mas no Brasil a prática ainda não prosperou. Segundo uma pesquisa realizada pelo Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada (IPEA), quase 40% do resíduo gerado no país é passível de aproveitamento, contudo, apenas 13% é encaminhado para algum tipo de reciclagem. 

A recuperação energética dos resíduos consiste em aproveitar o alto poder calorífico contido nos resíduos, transformando-os em algum tipo de energia. Ela pode ser gerada por meio de incineração com processos termoquímicos, como combustão, gaseificação ou pirólise. Há também a compostagem que gera energia pela biodigestão anaeróbia dos resíduos. O processo químico é realizado por micro-organismos que geram o biogás — mistura de metano e gás carbônico —, que é canalizado e transformado em material energético. 

Dentre os resíduos utilizados estão os restos de alimentos, materiais descartáveis e o plástico. De modo geral, o resíduo é queimado em uma caldeira, produzindo vapor a alta pressão e temperatura que depois é expandido em uma turbina de vapor, acionando um gerador elétrico. 

Como essa energia pode ser lucrativa? 

De acordo com a Associação Brasileira de Recuperação Energética (ABREN), se o Brasil destinasse 35% de todo o resíduo sólido produzido para usinas Waste-to-Energy (WTE), o país poderia produzir mensalmente 1.300GWh, que seria suficiente para atender quase 4% da demanda energética nacional. Além disso, a organização prevê que a tecnologia tem potencial de atrair R$145 bilhões de investimentos na próxima década.

Atualmente, o Brasil é um dos maiores geradores de resíduos do mundo, ocupando a quarta posição mundial, com 80 milhões de toneladas descartadas anualmente. Contudo, o investimento para esse tipo de produção a partir desse insumo ainda é baixa. 

Mais de três mil cidades no país ainda não se ajustaram à Política Nacional de Resíduos Sólidos e, para tentar ajudar, o governo tem criado incentivos e programas de parcerias a fim de que a iniciativa privada realize investimentos na área. A intenção é fortalecer as iniciativas, mas sem onerar o consumidor final.

No país, a primeira usina está sendo construída em Barueri (SP) e tem perspectivas de começar a operação em 2022. A parceria público-privada prevê tratamento dos resíduos por 30 anos e a mudança pode gerar até 20% de economia para a prefeitura. 

Quais as vantagens desse processo? 

De acordo com o Ministério de Minas e Energia (MME), a geração de energia do lixo ainda é cara frente a outras fontes. Contudo, os desenvolvimentos tecnológicos e urgência de eliminar os lixões do país estão acelerando as iniciativas para promover essa geração energética.

O método de aproveitamento por meio da gaseificação é a opção mais indicada para os resíduos sólidos do país, pois ele é rico em materiais orgânicos, tem elevado grau de umidade e alto potencial de geração de gases. 

As vantagens de produzir energia do lixo, além da diversificação da matriz energética, é que se elimina a necessidade de aterros sanitários, diminui-se os custos do estado quanto ao transporte e descarte desses resíduos, além de que essas usinas podem ser instaladas próximas aos centros urbanos.  

Portanto, a energia do lixo é uma matriz importante e necessária para o fomento de práticas mais sustentáveis. Embora no país os investimentos ainda sejam poucos, é uma fonte que tem grandes perspectivas no futuro. 

Gostou do nosso texto? Já conhecia esse tipo de geração energética? Deixe sua experiência nos comentários. 

Comente

Não há comentários sobre este post. Seja o primeiro.

Deixe um comentário